FVA lança boletim sobre prevenção e combate a incêndios florestais


foto: Araquém Alcântara/WWF-Brasil

Como parte das ações do projeto de formação de brigadistas no Mosaico do Baixo Rio Negro (MBRN), a Fundação Vitória Amazônica (FVA) lança o primeiro boletim informativo da iniciativa, que conta com recursos do WWF-Brasil e apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Com periodicidade mensal, o boletim temático faz parte de uma campanha de conscientização em torno dos incêndios florestais na região. A estratégia de distribuição do material vai priorizar a Internet, por meio de páginas de parceiros e redes sociais como Facebook e WhatsApp.

Nesta primeira edição, o informativo destaca a importância da informação como ferramenta de prevenção e combate ao fogo na floresta. De forma leve e descomplicada, o documento aborda as causas das queimadas, os impactos no ecossistema e na saúde humana, e faz uma cronologia dos maiores incêndios registrados na Amazônia nos últimos 20 anos.

O boletim também vai trazer, a cada edição, mapas e gráficos com o monitoramento dos focos de calor no mês anterior e a previsão do risco de incêndio para o mês corrente. Esse mapeamento abrange as seguintes Unidades de Conservação do MBRN: APA da Margem Direita do Rio Negro – Setor Paduari/Solimões, RDS Puranga-Conquista, RDS do Rio Negro e Parque Estadual do Rio Negro Setor Norte.

O responsável por esse monitoramento é o analista Marcelo Augusto dos Santos Jr., do Laboratório de Geoprocessamento da FVA. Segundo ele, os dados são oriundos do Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Mapeamento de Riscos Socioambientais para a RMM elaborado pela Fundação, com variáveis e metodologia adaptadas ao objetivo do boletim.

“No mês de outubro foram detectados apenas três focos de calor nas áreas de cobertura do mapeamento, todos na APA da Margem Direita do Rio Negro – Setor Paduari/Solimões. Comparando espacialmente esses focos com o índice de risco, todos estavam em áreas de baixo risco à ocorrência de incêndios, variando de 0,091 a 0,100”, explica ele.

“O índice de risco varia de 0 a 1, sendo 0 considerado baixo risco, 0,5 risco moderado e 1 alto risco. A propensão à ocorrência de incêndios é maior perto de estradas, perto de áreas previamente desmatadas, perto das sedes municipais, em vegetação de campina e capoeira, e é menor na floresta de terra firme, terrenos planos e áreas alagáveis”, completa.

CURSOS

O projeto de formação de brigadistas voluntários no Mosaico do Baixo Rio Negro tem o objetivo de fortalecer a atuação de comunitários e lideranças das áreas protegidas no combate aos incêndios na floresta. A primeira oficina aconteceu entre os dias 4 e 8 de novembro, no Espaço FVA de Novo Airão, e resultou em atividades teóricas e práticas coordenadas pelo Corpo de Bombeiros.

Participaram da formação comunitários da RDS Puranga-Conquista, do Parque Estadual do Rio Negro Setor Norte, da RDS do Rio Negro e do Parque Nacional de Anavilhanas, totalizando 38 pessoas de várias faixas etárias, entre homens e mulheres. No início de dezembro e em fevereiro de 2020, a FVA realizará mais dois módulos da oficina, que abordarão temas complementares. Saiba mais aqui.

Share this post

Translate »