FVA apresenta estudos durante congresso de áreas protegidas no Peru


foto: Ministerio del Ambiente/Peru

Especialistas e organizações ambientalistas de 37 países estão reunidos em Lima, no Peru, para o III Congresso de Áreas Protegidas da América Latina e Caribe (CAPLAC), que teve início nesta segunda-feira (14) e segue até o dia 17 de outubro. Com o tema “Soluções para o bem-estar e desenvolvimento sustentável”, o evento tem a proposta de ser um espaço de intercâmbio de experiências e debates sobre políticas públicas voltadas à conservação do meio ambiente.

Representada pelo coordenador executivo Fabiano Silva, a Fundação Vitória Amazônica (FVA) foi responsável por duas apresentações orais dentro da programação desta terça-feira (15). A primeira delas, realizada por Silva, trouxe dados sobre o desmatamento potencial futuro na Região Metropolitana de Manaus (RMM) e nas áreas protegidas do Mosaico do Baixo Rio Negro (MBRN).

A outra apresentação – feita por Guillermo Estupiñan, do WCS, organização que integra o Conselho do MBRN – abordou a estrutura de governança inovadora do Mosaico e as iniciativas para a implementação participativa do seu plano de ação. Além disso, a FVA teve um banner aprovado com os resultados de um estudo sobre as Áreas de Proteção Permanente (APPs) urbanas e sua relação com a qualidade de vida na cidade de Manaus.

Segundo Silva, o Congresso de Áreas Protegidas da América Latina e Caribe, promovido pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), é de extrema importância para a região porque pauta questões como gestão territorial e sustentabilidade financeira das unidades de conservação, assim como a participação da sociedade civil nesses processos.

“O III CAPLAC é um evento preparatório para o congresso mundial da UICN, que vai acontecer em 2020 na cidade de Marselha, na França. Então esse encontro em Lima vem para que os diferentes atores da conservação na América Latina possam alinhar visões e pensamentos para a construção de uma carta coletiva, que terá aportes inclusive das comunidades indígenas e da juventude comprometida com o tema”, comenta o coordenador executivo da FVA.

A Declaração de Lima enriquecerá também as discussões da COP25 sobre Mudança Climática, que acontece em dezembro, no Chile; a COP15 da Convenção sobre Diversidade Biológica, marcada para 2020, em Pequim; e o VII Congresso Mundial de Parques, em 2024.

O III CAPLAC é uma realização da Comissão Mundial de Áreas Protegidas da UICN em parceria com o governo do Peru, a Rede Latino-Americana de Cooperação Técnica em Parques Nacionais, outras Áreas Protegidas, Flora e Fauna Silvestre (RedParques) e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Share this post

Translate »