Região Metropolitana de Manaus registra aumento de mais de 2.000% de focos de calor em 15 anos


De 2000 a 2015, a Região Metropolitana de Manaus (RMM) registrou um expressivo aumento tanto no número de focos de calor, 2.061,36%, quanto no desmatamento, que cresceu 29,04%. Os números não são menos preocupantes para o município de Manaus, onde foi registrado no mesmo período o aumento de 983% nos focos de calor e de 18,80% no desmatamento.

A expansão da cidade de Manaus nesses 15 anos em 4,39% é apontada por pesquisadores como um dos principais motivos para esse crescimento, que ocorreu principalmente sobre áreas de florestas nativas da região. A capital amazonense passou de 232,80 km2, em 2000, para 243,02 km2, em 2015.

Estes e outros dados sobre o município de Manaus e a RMM, relativos a desmatamento, eventos extremos e outros riscos socioambientais serão apresentados e debatidos por membros do Observatório da Região Metropolitana de Manaus (ORMM), em parceria com a Comissão de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Câmara de Manaus (COMMARESV/CMM), durante audiência pública, amanhã, dia 11 de maio de 2018, das 9h00 às 12h00, na Câmara Municipal de Manaus. Os estudos foram conduzidos pelo Grupo de Trabalho de Monitoramento de Riscos Socioambientais e Mudanças Climáticas do ORMM, uma rede horizontal de pesquisadores e ativistas qualificados (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA; Universidade Federal do Amazonas – UFAM; Universidade Estadual do Amazonas – UEA e Fundação Vitória Amazônica – FVA) para discutirem a causa urbana e ambiental.

Na ocasião também entrarão no debate temas como saúde, violência, avanço dos impactos ambientais sobre a cidade e outros assuntos importantes para a orientação de políticas públicas eficientes contextualizadas com as questões urbana e ambiental na região. “É importante ressaltar que o espaço de debate será aberto e a ampla participação popular é fundamental para que os trabalhos possam evoluir de forma participativa”, alertou o secretário executivo do Observatório, Artur Monteiro.

Para os acadêmicos interessados, haverá declaração de participação que poderá ser apresentada para horas complementares.

EM TEMPO: haverá venda de castanhas-do-Brasil, da Reserva Extrativista Rio Unini. Produzidas por uma rede de associações de produtores ribeirinhos de Novo Airão e Barcelos, a iniciativa fortalece as comunidades locais e serve como chave na geração de renda das comunidades do interior do estado.

A expansão urbana de Manaus ocorre principalmente sobre áreas de florestas nativas

Imagem: Bing Map

Mapa: FVA

Share this post

Translate »