Focos de queimadas atingem números recordes na RMM


Técnicos da Fundação Vitória Amazônica (FVA), apresentaram na manhã da última quinta-feira (18), dados referentes a distribuição dos focos de queimadas com base no projeto Queimadas e Incêndios Florestais – Monitoramento Orbital e Risco de Fogo (INPE) e na classificação dos mapas do Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (PRODES). As informações foram apresentadas no Espaço FVA em Novo Airão, durante o lançamento da Campanha “Diga Não ao Fogo. Você também é responsável” promovida no município pelo do Governo Estadual para o combate às queimadas urbanas e florestais.

A apresentação trouxe as últimas estatísticas do banco de dados de séries históricas de focos de queimadas, cujos dados apontam a variabilidade dos focos entre os anos de 2005 e 2015.

Alerta – No último mês janeiro, foram registrados 176 focos de incêndio na Região Metropolitana de Manaus (RMM), o que corresponde um aumento de 1.600% comparado ao mesmo mês no ano de 2015, cujo monitoramento totalizou 11 focos.

Para o pesquisador do núcleo de geoprocessamento da FVA, Marcelo Paustein Moreira, o aumento é dado como alarmante. “Em julho de 2016, foram registrados 121 focos, o que equivale 200% a mais comparado a julho do ano passado onde foram registrados 37 focos de incêndio” destacou.

Desde 2015, a FVA faz o acompanhamento dos números referente aos focos na RMM, com a apresentação de boletins que referenciam a densidade e os pontos críticos de queimadas.

“Em 2015, tivemos um número assustador de 2.853 focos de incêndio, o que podemos considerar recorde em relação aos anos anteriores, dada na ordem por maior número de focos nos municípios de Autazes, Presidente Figueiredo, Itacoatiara, Careiro, Careiro da Várzea, Manacapuru, Manaquiri, Silves, Manaus, Rio Preto da Eva, Iranduba, Novo Airão e Itapiranga”, explicou o analista de projetos e pesquisa da FVA, Marcelo Santos.

focos_RMM_2015_2

 

El Niño

O aumento nos focos de queimadas está diretamente ligado aos eventos relacionado ao El Niño, além da diminuição das chuvas o que contribui para o aumento das queimadas. Em 2009 na RMM, foram contabilizados 2.086 focos de queimadas, o segundo maior registro.  Abaixo, um quadro geral com os eventos contabilizados nas últimas décadas, realizado em parceria com o Grupo de Trabalho Amazônico (GTA)Wildlife Conservation Society (WCS):

1982-1983 – Forte intensidade                                  1986-1988 – Intensidade moderada

1990-1993 – Forte intensidade                                  1994-1995 – Intensidade moderada

1997-1998 – Forte intensidade                                   2002-2003 – Intensidade moderada

2004-2007 Fraca intensidade                                 2009-2010 – Intensidade moderada

2015-(Em andamento) – Forte intensidade

 

Prevenção

Além da campanha estadual, outros esforços estão previstos para setembro, como o curso de brigada de incêndio que será promovido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). A formação será aplicada para comunitários de 14 comunidades do Rio Unini e Rio Jaú, com expectativa de participação de 80 alunos.

De acordo com a analista ambiental do ICMBio e chefe do Parque nacional do jaú, Mariana Leitão, diversas ações serão aplicadas em conjunto com as comunidades. “Esperamos ter essas pessoas formadas e capacitadas para conseguir se comunicar, alertar e saber o que fazer em alguma situação de risco. A expectativa é que eles saibam não só atuar prevenindo, mas também orientando a sua comunidade e tomando algumas decisões, caso haja algum evento dessa natureza”, explicou.

Bairro Ponta Negra - Zona Oeste de Manaus (Foto: Max Silva)

2015 – Bairro Ponta Negra – Zona Oeste de Manaus (Foto: Max Silva)

 

Campanha Estadual

A campanha é encabeçada por representantes do Grupo de trabalho de Queimadas formado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Amazonas (SEMA), Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), além de membros do Museu de Arqueologia do Estado e das secretarias de meio ambiente e assistência social de Novo Airão.

Ações

Desde a última sexta-feira (19), a equipe técnica da Sema, iniciou uma agenda de visitas nos municípios da Região Metropolitana de Manaus, Sul e Baixo Amazonas. Até a segunda quinzena de setembro serão visitados 25 municípios. A equipe iniciará as ações pelos municípios de Lábrea e Manicoré.

20/08 – Humaitá

22/08 – Apuí

23/08 – Novo Aripuanã

Durante as visitas, a Sema reunirá as lideranças locais para criação e implantação do Comitê Municipal de Combate a Queimadas e Incêndios Florestais, além do plano municipal contra queimadas com as estratégias de trabalho adequadas à realidade de cada município.

Os municípios receberão materiais educativos da campanha ao término de cada visita prevista na programação. A iniciativa segue a execução do “Plano estadual de prevenção, controle e combate às queimadas”, lançado no início de junho deste ano. Alguns municípios já receberam a ação que foi realizada pelo Ipaam com a Sema. Os comitês são formados pelas secretarias municipais de Meio Ambiente, Saúde, Educação e Produção, além dos órgãos estaduais e federais.

Mais 12 municípios receberão materiais de combate a focos de calor para equipar brigadas de incêndios florestais formadas pelo Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas. Ao todo, 14 já receberam os materiais, sendo 13 da Região Metropolitana, mais Caapiranga (localizado a 134 quilômetros da capital, em linha reta). Desta vez, os materiais serão destinados para os municípios do Sul e Baixo Amazonas. A aquisição dos itens está em processo de licitação. Eles serão custeados com recursos captados pela Sema com o governo alemão, por meio do grupo bancário KFW, que mantém parceria com o Amazonas com o Projeto de Prevenção e Combate ao Desmatamento e Conservação da Floresta no Estado do Amazonas (Profloram).

*Campanha Estadual – com informações da assessoria

 

 

Share this post

No comments

Add yours

Translate »