Nível da cheia em Manaus começa a estabilizar


A cheia deste ano, que já é uma das 10 maiores da série histórica, chegou ao limiar de equilíbrio na capital amazonense. A informação é do Laboratório de Geoprocessamento (LabGeo) da Fundação Vitória Amazônica (FVA), que monitora as áreas de inundação em parceria com o Observatório da Região Metropolitana de Manaus. Nesta quarta-feira (26), a lâmina d’água marcava 29,41 metros na régua do Porto de Manaus, 1 centímetro abaixo da aferição de segunda-feira (24), um indício que as águas do Rio Negro estão começando a estabilizar, embora haja possibilidade de repiquete nos próximos dias. A previsão é que a vazante comece efetivamente a partir do dia 3 de julho.

Os dados mais recentes mostram que o nível da cheia subiu em média 1,95 centímetros por dia no mês de junho. O último boletim do Sistema de Alerta de Eventos Críticos (SACE), divulgado em 31 de maio pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), previa uma cota máxima entre 29,03 metros e 29,33 metros, marca ultrapassada em nove centímetros na última segunda-feira. O nível recorde foi alcançado em 2012, quando a água chegou a 29,97 metros.

Segundo o geógrafo e analista da FVA Heitor Pinheiro, o monitoramento da cheia utiliza como ferramenta o Sistema de Informações Geográficas em conjunto com imagens orbitais de radar para uma simulação da superfície inundada. “Entender os processos de enchente e vazante é de suma importância para a previsão de eventos atípicos que impactam diretamente a produção agrícola e as cidades do Estado. Vale ressaltar que esse monitoramento está sendo desenvolvido para todos os municípios da Região Metropolitana, fase que ainda está em processo de validação”, afirma.

Share this post

Translate »